Fim da pobreza extrema na China

Em finais de 2020, a China anunciou o fim da pobreza extrema, alcançando assim a meta prevista para o ano. O último reduto onde a situação ainda estava presente era nos nove condados da província de Guizhou. Os três objetivos que validam internacionalmente o fato – renda individual superior a 1,90 euros por dia e acesso à Educação e Saúde – foram atingidos. 

A relevância do fato somente é perceptível quando se analisa o que era a situação do país quarenta anos atrás, com índices de pobreza da maioria da população piores do que em muitos países, incluindo o Brasil. Nesse período, 800 milhões de chineses deixaram de ser pobres e se integraram à classe média. 

O fato é mais importante porque acontece em ano de pandemia, às vésperas do início de 2021 – que, pelas estimativas do Banco Mundial, vai mergulhar mais de 150 milhões de pessoas na pobreza. Além disso, o objetivo de eliminação da pobreza foi alcançado comandado pelo Estado e não pelo mercado

A política na China evolui para uma forma que ainda é impossível de visualizar como será na sua versão amadurecida. O que se pode dizer é que ela vai combinando princípios das duas velhas linhas ideológicas (capitalismo e comunismo) e construindo algo novo. O governo chama ao sistema adotado de “socialismo com características chinesas”

O atual presidente Xi Jinping, que tem uma formação incomum (vale a pena ler seu histórico de vida), e uma preparação educacional importante, lidera com sucesso duas iniciativas internas: a luta contra a corrupção, que o levou a encarcerar centenas de dirigentes do próprio partido comunista, e contra a pobreza – esta última com arrojados novos conceitos. Algumas de suas declarações deixam clara sua linha de pensamento: 

– “O sonho chinês, ao contrário do norte americano, subordina os alcances individuais ao alcance coletivo e o bem-estar do povo”

–  “Socialismo e pobreza são conceitos contraditórios”

– “O desenvolvimento é a chave para erradicar a pobreza”

– “Uma vida feliz para a população é o nosso ponto de partida e objetivo do trabalho”

O presidente descreve a situação atual do país como “em estágio de desenvolvimento, procurando não deixar ninguém para atrás” e visualiza 2049 (aniversário de 100 anos da revolução chinesa) como o momento de chegar a ser um país igualitário e desenvolvido. 

Tudo isso dentro de uma arquitetura política de partido único, falta de transparência interna e externa, perseguição a minorias, ausência de oposição e culto à personalidade do próprio dirigente, conformando uma forma de governo que não é compatível com as democracias ocidentais. Acontece que, para o cidadão chinês comum, os avanços em qualidade de vida são tão rápidos e acessíveis que o nível e volume de manifestações de oposição a essas práticas é atualmente muito pequeno. Para saber como isto irá se desenvolver, será necessário aguardar ainda mais um tempo. 

Analisando o sistema de governo chinês, se constata facilmente que foi adotada uma economia de mercado com participação parcial e regulatória do estado, combinada com arrojadas políticas de proteção social. Este cenário é resultado de uma combinação de conceitos básicos já contidos nas ideologias capitalista e socialista. Significa que, apesar de governada pelo partido comunista, as políticas implementadas não seguem em sua maioria a filosofia original do partido.  

Enquanto isso, os EUA, um dos países mais ricos do mundo, alcança os maiores índices de pobreza entre os países desenvolvidos e desenha uma situação que deve piorar no futuro. Conforme o Data Center Kids Count, da Fundação Annie E. Casey, quase um terço das crianças negras, um quarto das latinas e mais de um décimo das brancas estão mergulhadas na pobreza.

A pobreza material tem forte vínculo com o acesso a recursos financeiros. No capitalismo americano, o sucesso se mede pelo ativo “money”, e o “sonho americano” objetiva o acúmulo individual de ativos – o que representa o sucesso da pessoa. 

A admiração no país do Norte não é gerada por nomes como Irmã Tereza, Mahatma Ghandi, Simone de Beauvoir e tantos outros talentos (mesmo sem dinheiro), senão por aqueles nomes que com ou sem amostras de talento, conseguem riqueza material, como Rockefeller, Bill Gates, Donald Trump, entre outros. Por isso, naquele país, apesar do seu poderio, o desenvolvimento das artes, letras e ciências humanas sempre fica bem atrás da tecnologia e os negócios

Como os EUA se encontram em fase complicada em suas relações internacionais e na iminência de perder a posição de maior potência económica mundial, assim como no cuidado com seus próprios cidadãos (a falta de serviços sociais e a resposta a pandemia são exemplos); é imprescindível que, após o período sombrio do governo Trump, o país repense suas relações sociais internas. As primeiras medidas do presidente Biden mostram ações nessa direção. 

O CEBR – Centro para Negócios e Pesquisa Económica com sede em Londres prognostica que a China irá substituir os EUA em 2028 como primeira economia mundial. A data antecipa em 5 anos a previsão anterior e conforme a consultoria inglesa, responsável pela aceleração é a própria pandemia, com a qual a China tem lidado melhor que muitos países.   

Em todos os países de nossa região, da Argentina até o México, a pobreza é um componente social histórico, resultado do perfil dos colonizadores que aqui primeiramente chegaram. Assim, as sociedades formadas por bandidos, desqualificados e ignorantes – praticamente os únicos que aceitavam vir para estas terras na época – foram constituídas num nível tão baixo quanto possível e até hoje as consequências são sentidas. Como resultado, não existe consciência social e predominam sociedades egoístas, racistas e de nível cultural baixo. Pela pobreza ser decorrência de uma decisão política, fica difícil visualizar uma reversão da situação. E isso fica ainda mais complicado quando as pessoas que integram as classes sociais mais altas confundem possuir carro blindado, morar em condomínio fechado e contratar segurança com qualidade de vida. Nos países nórdicos, assim como em vários europeus e asiáticos esses “costumes” são praticamente desconhecidos e a qualidade de vida é muito superior. É o resultado de terem alcançado níveis bem menores de desigualdade social.

1 Resultado

  1. pedro osorio souza mello disse:

    Caro Piemonte –
    Mais uma vez, que brilhante análise. Verdadeiramente, uma aula. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *